quinta-feira, 19 de junho de 2014

Você conhece a Síndrome de Burnout?

Você já sentiu falta de energia para executar determinada atividade?
Agora imagine uma absoluta e constante falta de energia nas suas atividades profissionais...
Essa é a Burnout, uma síndrome na qual o trabalhador perde o sentido total da sua relação com o trabalho. As coisas já não têm mais importância. Qualquer esforço lhe parece inútil. Falta-lhe energia para continuar e confiança para modificar as circunstâncias que parecem irreversíveis aos olhos da pessoa acometida por essa síndrome.
Em termos gerais, a Burnout decorre da discrepância entre o que o trabalhador investe no trabalho e o que ele recebe em termos de reconhecimento, tanto de superiores e colegas, como de clientes e usuários dos serviços que realiza. Ocorre, então, um desgaste emocional que repercute na saúde mental e física, bem como, na qualidade de vida dos profissionais, principalmente, mas não só, da área da saúde e da educação.
Essa síndrome tem por característica três aspectos: exaustão emocional, diminuição da realização pessoal e despersonalização.

Exaustão emocional: sentimentos de fadiga e redução dos recursos emocionais necessários para lidar com a situação estressora. Esgotou a energia do indivíduo em função do contato direto com o problema;
Diminuição da realização pessoal: percepção de deterioração da autocompetência e falta de satisfação com as realizações e os sucessos de si mesmo no trabalho. O trabalhador se autoavalia de forma negativa.
Despersonalização: atitudes negativas, ceticismo, insensibilidade e despreocupação com respeito a outras pessoas, principalmente, usuários e clientes dos serviços que deve prestar.

Mas como saber se estou desenvolvendo essa síndrome?
Exaustão física, psíquica e emocional, em função de má adaptação do indivíduo a um trabalho prolongado, altamente estressante e com grande carga tensional são indícios.
A Burnout se instala silenciosa e progressivamente e a pessoa, muitas vezes, não se dá conta que está adoecendo. Fatores como excesso de trabalho, remuneração insuficiente, falta de controle, falta de recompensa, falta de união, sentimento de desigualdade e conflito de valores dentro de uma organização, são apenas alguns dos acontecimentos que vem afetando o bem estar físico e mental dos trabalhadores, deixando-os suscetíveis ao aparecimento da doença.

E como prevenir?
Conhecer a síndrome é o primeiro passo e você já se adiantou.
Agora, identifique desencadeadores da síndrome: Qual a minha relação com o meu trabalho. O que acontece na empresa que eu trabalho que está me afetando? O que eu não concordo em meu ambiente de trabalho?
As exigências por produtividade, qualidade, lucratividade, associadas ao aumento de concorrência, vêm gerando maior competitividade e, consequentemente, problemas psicossociais.
Anote tudo que lhe vier à mente, não esconda nada, qualquer afirmação é válida. Nesse momento, não existe certo ou errado, são os seus sentimentos que interessa.
Com essa lista em mãos, faça EFT para cada item, até dissolver as emoções de cada sentimento, cada pensamento, cada acontecimento.
Muitas vezes o problema está tão profundo que não conseguimos acessá-lo sozinhos, ou então, não obtemos sucesso por não enxergar a nós mesmos de forma clara. Nesses casos, procure ajuda de um profissional habilitado. Em poucas sessões você sentirá alívio e poderá tomar decisões mais acertadas em relação à sua vida e ao seu futuro.

E quem já tem a síndrome de Burnout, a EFT pode auxiliar?
Pode.
Antes de fazer EFT, os sujeitos, apesar dos esforços, continuam prisioneiros da situação, enquanto o processo de exaustão prossegue. As pessoas tentam enfrentar o problema concreto na empresa e também a reação ou emoção pessoal que a questão provoca.
Existem questões psicossomáticas envolvidas, comportamentais, emocionais e defensivas que devem ser trabalhadas.
A EFT pode auxiliar nesse processo, agindo em cada fator desencadeante, cada emoção relacionada, cada sintoma, cada crença envolvida e situações arroladas durante as sessões.


Entre em contato, ficarei feliz em ajudá-lo.



Nenhum comentário :

Postar um comentário