sábado, 27 de setembro de 2014

Diálogo entre um executivo e um pescador. Quem será que está certo?

Um executivo em férias contemplava o mar calmo e azul quando avistou um pequeno barco levando um grande atum de barbatanas amarelas que ancorou próximo ao belo vilarejo mexicano. O pescador solitário, então, pulou para a margem e o executivo aproximou-se:


-               Grande pesca, disse o turista. Quanto tempo levou?
-               Não muito, respondeu o mexicano.
-               Por que não fica mais e pega mais peixes?
-               Isso é suficiente para manter minha família abastecida.
-               E o que você faz com o resto do seu tempo?
-        Durmo tarde, pesco um pouco, brinco com meus filhos, almoço, faço sesta com Maria, minha esposa. Dou um passeio pelo vilarejo todas as noites, beberico vinho, toco violão e jogo cartas com meus amigos. É uma vida plena e rica, senhor.
-         Acho que posso ajudá-lo, disse o visitante franzindo o nariz. Tenho mestrado na Universidade de Harvard e vou lhe dar o conselho que você obteria na Faculdade de Administração. Passe mais tempo pescando, compre um barco maior, ganhe mais dinheiro e vá adquirindo barcos até montar uma frota. Não venda o pescado para intermediários, e sim diretamente para a empresa de processamento. Depois crie seu próprio negócio de enlatamento. Você controlaria o produto, a produção e a distribuição. Poderia então deixar este vilarejo, mudar-se para a Cidade do México, depois para Los Angeles e talvez até para Nova York para comandar sua próspera empresa.
-               Mas, senhor, quanto tempo isso levaria? Questionou o pescador.
-               De 15 a 20 anos.
-               E depois, senhor?
-           Essa é a melhor parte, riu o executivo. Quando chegasse a hora certa, você poderia negociar na bolsa de valores e ganhar milhões de dólares.
-              Hum, milhões de dólares. E depois, senhor?
-            Depois poderia se aposentar e ir para casa. Mudar-se para um belo vilarejo junto ao mar, dormir tarde, pescar um pouco, almoçar, brincar com seus filhos, fazer a sesta com sua mulher, passear pelo vilarejo à noite, bebericar seu vinho, tocar violão e jogar cartas com os amigos.

Retirado do livro: O estilo 80/20 de Richard Koch

6 comentários :

  1. o pescador que tem atualmente a vida que o executivo almeja ter quando se aposentar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata Luciana pelo retorno. O importante é sermos felizes, independente da vida que levamos. Talvez, o executivo não seja feliz vivendo de forma pacata, assim como o pescador não se daria bem no mundo dos negócios.

      Excluir
  2. pescador, mas qual a relação com a EFT, ou não tem relação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem relação sim Tiago, pois quando tomamos decisões, temos que ter certeza do que queremos. Não importa quem está certo, o importante é estra feliz, fazendo o que gosta. Autoconhecimento é primordial para a felicidade. A EFT ajuda exatamente nisso, nos ajuda a enxergar novas possibilidades, abre portas e ajuda a entendermos o que queremos da nossa vida. Grata pela participação!

      Excluir
  3. Respostas
    1. Temos muito o que pensar sobre isso né Márcia. A felicidade pode estar nas pequenas coisas, na simplicidade!
      Grata pela participação!

      Excluir