domingo, 18 de janeiro de 2015

Refletindo com João Cabral de Melo Neto

Tecendo a Manhã
 Um galo sozinho não tece uma manhã.
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito que um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.
E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.
João Cabral de Melo Neto


Fonte: Caderno Cultura - Estadão
Parafraseando ‘uma andorinha sozinha não faz verão’, João Cabral de Melo Neto começa sua obra com, ‘um galo sozinho não tece uma manhã’.
Tecer nos remete a entrelaçar, construir um tecido, uma teia tênue...
E mais...
Sozinho, um único canto não traz a luz. Um canto chama o outro, e outro e outro...
A vida é assim...
É um entrelaçar de histórias, uma construção conjunta, ajuda mútua!
Que essa reflexão contribua para o entrelaçar de sua vida e do seu tecido, para a construção de um futuro mais igualitário e solidário.




Nenhum comentário :

Postar um comentário