domingo, 1 de março de 2015

Compulsão à repetição e como a EFT pode te ajudar


Você não acha que é fácil perceber quando as pessoas estão presas a comportamentos repetitivos? É possível observar de que modo aquele comportamento está lhes fazendo mal ou fazendo com que se movam em círculos. Podemos nos perguntar: Por que ela continua se sentindo atraída pelo mesmo tipo maléfico de homem? Por que todos os seus filhos estão apresentando as mesmas dificuldades? Por que ele trocou de mulher – já que, para nós, ela age e se parece muito com todas as ex-esposas dele? Perguntamos porque vemos o que está acontecendo. Ainda assim, frequentemente ficamos cegos aos nossos próprios padrões de repetição profundamente enraizados.
Por que isso acontece? Porque a compulsão à repetição possui uma infinidade de características, e a mais importante delas é que os indivíduos que a apresentam têm pouco ou nenhum discernimento do que está causando suas dificuldades. Freud entendia isto como algo instintivo e, como tal, virtualmente imune à modificação. No trabalho com pessoas afetadas pela compulsão autodestrutiva, é possível observar como esse comportamento parece ser guiado por forças incontroláveis. Vez por outra, deparamo-nos com a notícia de que um tornado de grandes proporções está a caminho, e todas as indicações sugerem que é um furacão perigoso e ameaçador. Mas não há como pará-lo. Do mesmo modo, a compulsão à repetição é um impulso, uma força persistente, insistente, irrefreável e inevitável. O raciocínio é suspenso, o julgamento é interrompido, a inibição é abandonada. Não é algo muito diferente do instinto que os salmões têm de nadar contra a corrente, desovar e, então, morrer. Há refrãos que são ouvidos repetidamente, como: “Sei que não devia entrar de cabeça nesse casamento, mas... Sei que deveria esperar para ter um filho, mas... Sei que não deveria me divorciar dele tão apressadamente, mas...”
Tal comportamento parece estar mesmo além do princípio do prazer, significando que se, para a maioria, o comportamento humano é motivado pelo desejo do prazer, para aqueles que estão presos a essa compulsão, até o princípio do prazer é subvertido pela necessidade da repetição.
Podemos experimentar uma sensação de déjà vu, quando os relacionamentos repetidamente não funcionam, ou quando incorremos no mesmo tipo de problema em empregos distintos. Mesmo assim, raramente reconhecemos os fundamentos profundamente arraigados de nossas repetições, sem falar nas etapas emocionais necessárias para mudá-las.
Com a EFT podemos encontrar respostas.
Ao lado da compulsão a repetição, há uma intensa e intolerável ansiedade, causada por um trauma, uma experiência subjetivamente assustadora que é lançada sobre o eu, fazendo com que a pessoa se sinta impotente e fora do controle. Essa sensação, muitas vezes, é tão esmagadora que os sentimentos são apagados da memória. E mesmo sem a lembrança consciente, a pessoa vive com o medo de que o trauma ocorra de novo.
Tanto o trauma como a ansiedade, não podem ser deixados de lado. Eles precisam ser revividos para que adquiram a ilusória sensação de controle.
A EFT te permite ressignificar o passado e assim, mudar o presente.

Experimente!

Baseado no livro: O ciclo da autossabotagem de Stanley Rosner e Patricia Hermes


Nenhum comentário :

Postar um comentário