segunda-feira, 24 de agosto de 2015

A difícil arte de lidar com os problemas

Recebi este texto faz algum tempo, não sei qual a autoria, mas vale a pena compartilhar...

A jovem professora do ensino fundamental conversava, à porta da escola, com o pai de um aluno. Ela falava, com toda a delicadeza e cuidado, escolhendo as palavras com educação e leveza, que gostaria de conversar em particular com ele sobre o comportamento do pequeno, que inspirava atenção naquele momento.
O pai, com ar sisudo, como quem se desfaz de um problema no mesmo instante em que ele aparece, retrucou: “conheço meu filho e sei que ele só está assim em sala de aula, por que você disse algo que ele não gostou. Tente mudar a abordagem e verá como ele será mais educado”. A professora, sem chance de resposta, apenas assentiu com a cabeça e a conversa acabou, com o sujeito indo embora.
Quantos de nós nos vemos na situação acima? Por medo de encarar o problema de frente, examiná-lo, investigá-lo e tentar achar uma solução amorosa, logo criamos um cenário em que ele simplesmente não existe. Ou, se existe, é do outro! Quantos pais não transferem as questões a melhorar de suas crianças para a educadora ou a escola?
Natural que alguns pontos sejam chatos de lidar e que despertem dores profundas, lembranças indesejáveis, sentimentos ruins e memórias indigestas. Entretanto, fingir que esses pontos não sejam reais ou jogar a responsabilidade para o outro não só não resolverá o problema, como também pode piorar o cenário em muitas vezes.
A sabedoria de um ser consiste também na forma com que ele lida com os desafios inerentes à vida. Problemas e pontos a resolver todos temos. Sejam nossos ou de nossos próximos. Aquilo que cabe a nós resolver é nossa responsabilidade. Pode até ser que seja conjunta, como no caso da criança da escola, quando a mãe ou outro responsável possam compartilhar a solução.
Tratar as intempéries da vida com calma, parcimônia e tranquilidade para observar é regra de ouro. Outra dica que ajuda sobre maneira é deixar que a parte racional de nosso cérebro comande a situação, usando toda a parte prática para resolver o que precisa de atenção. Deixando de lado nossas sensações emotivas será mais prático, rápido e eficiente dar cabo na questão, não tornando algo mais difícil que naturalmente já é.
Pense nisso e reflita em como você está lidando com os problemas a sua volta.

Nenhum comentário :

Postar um comentário