quinta-feira, 7 de abril de 2016

Publicação do site Bolsa de mulher

EFT: Técnicas de liberação emocional

por Lu

As EFT (Emotional Freedom Techniques) são técnicas simples que ajudam a reduzir o estresse que causa muitas doenças. Sua eficácia foi comprovada em vários estudos científicos. Esse sistema funciona numa variedade de doenças, problemas psicológicos, mesmo em aqueles que têm sido resistentes a outros métodos.
Elas podem ser aprendidas e aplicadas rapidamente, o que tem contribuído a seu aumento de popularidade entre milhões de pessoas. Além disso, diversos tipos de profissionais podem utilizar as EFT em suas práticas, como, por exemplo, terapeutas, médicos, enfermeiros e psicólogos.
Nosso corpo está formado, do mesmo modo que quase todo o universo, por átomos, os quais são, ao mesmo tempo, energia. As chamadas “técnicas de liberação emocional” ajudam a espalhar essa energia, numa espécie de psicologia baseada na acupuntura, que, entretanto, não utiliza agulhas.
Elas foram desenvolvidas no ano de 1990 por Gary Craig e seu principal objetivo é alcançar o equilíbrio de emoções negativas por meio da liberação dessa energia daninha.
As EFT têm como base a estimulação de determinados pontos do corpo através de pequenas batidas, as que não devem ser extremamente fortes e sim, muito pelo contrário, transmitir uma sensação de conforto. Ao estimular esses pontos energéticos, a pessoa se conecta com seu problema.
Com esse método, procura-se liberar as emoções negativas e gerar o alívio de dores físicas, já que elas são uma das principais causas das doenças são esses sentimentos negativos.
Por meio da aplicação dessas técnicas, pode-se chegar à eficácia em muitas situações; no entanto, elas não aliviam completamente o problema e tendem, sim, a diminui-lo.
As EFT são recomendadas em casos de: alergias, ansiedade, adicções (ao cigarro, o álcool, a comida, entre outras), depressão, transtornos alimentares (bulimia, anorexia, etc), sentimentos de culpa, dor, traumas, insônia, dores emocionais e problemas respiratórios.

Nenhum comentário :

Postar um comentário